House Church


O Paraíso é logo aqui

30-03-2012 19:41

Durante as minhas férias tive a oportunidade de assistir alguns filmes.

Um dos filmes que assisti me chamou muito a atenção pela mensagem contextualizada transmitida e que é digna de reflexão.

Enquanto assistia ao filme fiz algumas anotações de frases que me tocaram pela profundidade e sentido.

A começar pelo título do filme – “O paraíso é logo aqui” - que de início nos leva a pensar sobre o sentido que estamos dando a vida no lugar e tempo onde estamos vivendo.

Antes de tudo devemos entender que o sentido da própria palavra “Paraíso” agrega não apenas a significação de Céu e morada de Deus, mas também de um lugar agradável onde reina felicidade e a paz eterna. No fundo é isso que todos almejam.

Quem não busca um lugar como esse? Assim o título do filme nos induz a entender que esse lugar não está longe, está muito próximo, começa aqui, depende de cada um, das nossas decisões e que possa ser um lugar a em a partir de nossos corações.

O filme narra a história de um homem (Henry) que decide largar tudo e passar o resto de sua vida comendo pizza e bebendo vodka em uma casa no subúrbio de uma cidade.

(Você já pensou quantas pessoas assumem a mesma postura de (Henry), de não conseguir resolver os conflitos internos e externos, fugindo em busca de algo que possa devolver a paz e a segurança perdida, se é que um dia existiu. A fuga da realidade não ajuda as pessoas construírem seus projetos e sonhos, mas leva sim a um processo quase que imperceptível, progressivo e silencioso de desconstrução daquilo que impulsiona a vida – a fé, a esperança e o amor)

Voltando ao contexto do filme, os problemas de Henry começam quando uma mancha estranha aparece na parede de sua casa e que chama muito a atenção dos vizinhos.

A mancha assemelha-se ao rosto de Jesus (como os homens o concebem) e logo é notada por sua vizinha (Esperanza), uma católica fervorosa, que diz ser aquela mancha um sinal de Deus.

Não demorou muito para os comentários se espalharem pela cidade e tornar aquela parede um local de peregrinação e santuário, pois os habitantes daquela cidade acreditavam que ao tocarem a parede seus pedidos seriam atendidos.

(As pessoas buscam uma forma de tornar tangível aquilo que creem, ou seja, constroem imaginários que servem de bengala para expressar a fé, que na grande maioria das vezes é usada para impor a crença de certa forma em alguma coisa). É preciso que ocorra um sinal externo, visível para que se creia).

Cuidado! Esse caminho é muito perigoso, pois distorce o foco da busca a Deus. (Troca que podemos notar com facilidade no sincretismo, ritos e legalismo que encontramos em algumas denominações).

Henry muito cético se vê incomodado e contrariado com a situação e num momento de ira, quando chega a casa, vê seu quintal invadido por uma multidão. Ele derruba a “parede santuário” e parte da casa cai sobre si.

Esse acidente levou Henry para o hospital e veio mudar a perspectiva de vida que havia escolhido.

(Todos somos resultados de nossas escolhas durante a vida, o certo é que toda vez que nossas escolhas não tiverem centradas em Deus, os resultados ou consequências não estarão alinhados a vontade de Deus para nossas vidas. Pergunto: O que você tem buscado hoje como padrão de vida é realmente o que Deus quer para você? Você tem buscado a essência da Palavra de Deus ou tem feito uma grande mistura de crenças em sua mente?).

Não é meu objetivo contar o filme todo, mas apenas criar um contexto para o mínimo de entendimento.

Se você puder assista ao filme e se já assistiu melhor ainda, relembre comigo.

Como falei anteriormente o filme me chamou a atenção pela mensagem contextualiza que apresenta, assim, gostaria de compartilhar duas expressões que considero muito profundas.

A primeira delas tem tudo a ver com o que falamos anteriormente sobre o crer, então veja que bela expressão:

- "Por que é tão necessário para você que eu creia? (...) Porque se você me convencer, as suas crenças se tornam mais reais."
(Vemos que em nossos dias muitos religiosos tentarem inserir uma presença de Deus no contexto das pessoas sem que elas tenham passado por uma experiência com Deus anunciado), ou seja, o deus dele.

Isso leva a termos cristãos expectadores, ouvintes passivos e sem experiências profundas com Deus.

(São pessoas que foram ensinadas a viverem de forma dependente de alguém que se diz “mais espiritual” e que tem a necessidade de provar que sua fé é real e maior do que a do vizinho da igreja da esquina).

Outra frase interessante:

- Às vezes as coisas acontecem porque escolhemos que aconteçam. Eu escolhi acreditar!"

Entenda que escolher crer é um fator primordial para transformação da realidade.

Isso não é a fezinha que muitos fazem toda semana nas lotéricas. Se a fé se limitar a isso, miseráveis são os que pensam assim.

A pergunta que eu faço é: Em que você escolheu acreditar? No amor? Na esperança? Em você mesmo? Em Deus?

Isso é que faz a diferença.

Jesus diz: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. (Mateus 11:28)

Veja que esta escolha é pessoal e é onde o paraíso começa, por isso podemos dizer que para aqueles que creem em Jesus Cristo “O Paraíso é bem aqui”.

 

Pr Rubens Terra

—————

Voltar